Home » Atividades » Lançada na rede a Programação da Criptainha, CriptoFesta em Floripa no sábado 06/07

Lançada na rede a Programação da Criptainha, CriptoFesta em Floripa no sábado 06/07

Côsa linda! O vento súli sopra forte e tainhas estão chegando! 
É com muita felicidade que estamos lançando na rede a programação da CripTainha, criptofesta que acontecerá neste sábado, 06/07 em Florianópolis – SC. Serão mais de 15 atividades envolvendo tecno-política, ativismo, mídia livre, software livre, segurança holística, redes e programação. Todas as atividades são gratuitas e não exigem formação.
O evento acontece no Instituto Arco-Íris que fica na travessa ratclif, em local muito próximo do terminal central e da rodoviária. Além de prático, é um local muito especial para a cena politico-cultural e de defesa de direitos humanos na cidade.
As atividades ocorrerão em paralelo, em 3 salas diferentes dentro do Instituto Arco-Íris: Espaço Barra da Lagoa, Espaço Campeche e Espaço Armação.

Chegue cedo! às 10h começaremos com um café da manhã coletivo, com as primeiras atividades iniciando às 11h. Meio dia e meio teremos uma pausa para o almoço, e às 13:00 daremos sequência com mais atividades, até o encerramento previsto para 22h.
O dia é longo, então teremos uma mesa coletiva de comida durante todo o evento. Traga alimentos para encher a mesa e compartilhar com o resto do pessoal! Estão em alta as frutas da estação, bolos, pães, pastinhas, biscoitos, chás estimulantes, cafés… uhmmm que rangaceira mô quirido!
Se quiser saber mais sobre criptofestas e nossas motivações, detalhes de alimentação, localização, etc, consulte aqui a nossa FAQ
Agora, com vocês a grade de programação e a descrição das atividades. Chama todo mundo e ajude a divulgar, nos vemos na Criptainha!

Horário Espaço Barra da Lagoa Espaço Campeche Espaço Armação (Install Fest)
10:00 Café da Manhã Coletivo
10:30
11:00 Se a Internet fosse um barco Política Digital: Hoje e amanhã Como criar Senhas Fortes
11:30
12:00
12:30 Almoço
13:00
13:30 Atividade Lúdica
14:00 Data detox Segurança de pé descalço – Um plano estratégico para apoiar a transformação social Anonimato na Web com o Tor
14:30
15:00 Anônimato vs vigilância: criptografia e disputas de poder na internet
15:30 Emails seguros com PGP
16:00 Proteção de dados como resistência ao capitalismo de vigilância Naftalina com Querosene, editoras independentes incendeiam mesmo no colapso
16:30
17:00 Dataísmo, etapa superior do Capitalismo? Mensagens seguras com Signal
17:30
18:00 Inteligência Artificial vs. Direitos Fundamentais Manhêêê, faz um app pra mim
18:30 Criptografia de Discos
19:00 Internet Health Report, o que diabos está acontecendo com a saúde da internet?! Panorama da Repressão no Brasil e guia básico de segurança militante
19:30
20:00 Navegando na Surdina com TAILS – The Amnesic Incognito Live System
20:30
21:00 MicroPython, o Arduino dos Pythonistas Bitcoin – de moeda nerd à instrumento de transformação do mundo
21:30
22:00 Encerramento

Sala Barra da Lagoa

Se a internet fosse um barco ela afundaria… tem muito buraco aí!

Como a internet funciona? Tem gente que fala que a internet tá quebrada, que as empresas estão ganhando dinheiro com os nossos dados e a gente mesmo não vê nem um pinguinho dessa grana!
Dizem que tem hackers por aí (oi, aqui é o hacker!), existe isso mesmo? O que são hackers, tem diferença de cracker e bolacha maria?
Dizem que surfamos na internet… mas se surfamos, onde é que tá as pedras ou bancos de areia? Tem alguma forma de se proteger ou pelo menos, se preparar e reduzir danos? 
Através de dinâmicas e bate papo vamos explorar como é essa infraestrutura dita internet, como nos conectamos à ela e a utilizamos e além de apresentar medidas que podemos tomar para reduzir danos ou talvez, evitá-los.

Data Detox

Você sente que “seu eu digital” está escapando do controle? Você se permitiu instalar muitos aplicativos, clicou em “Eu concordo” algumas vezes demais, perdeu o controle de quantas contas você criou? Talvez você sinta que não está no controle de sua vida digital como gostaria de estar…
Não se desespere! Esta “Data Detox” é projetada para você. No final do programa de 8 dias, você estará no caminho certo para uma vida digital mais saudável e com mais controle sobre seus dados.

Proteção de dados como resistência ao capitalismo de vigilância

O objetivo geral desta apresentação é analisar o direito e a proteção de dados como uma das formas de resistência ao capitalismo de vigilância, conforme o conceito estabelecido por Shoshana Zuboff. A relação com o Direito parte das novas legislações nacionais e internacionais que objetivam amenizar o potencial mercadológico agressivo da venda e utilização não-autorizada de dados pessoais.
Um dos focos desta apresentação é a recente Lei Geral de Proteção de Dados, que busca regular o tratamento de dados pessoais para garantir a privacidade de pessoas naturais em território brasileiro. Essa discussão gira em torno de um direito pela dignidade humana e o direito de não ter seus valores e sua individualidade comercializados por uma economia nessa nova fase do capitalismo pautada na monetização dos dados pessoais, o capitalismo de vigilância.
Além disso, a palestra abordará outras maneiras alternativas do combate à excessiva invasão do mercado sobre a privacidade dos usuários. Dentre
estas, um foco é a luta por um “direito de se esconder” e manter a privacidade, como o de artistas e designers que utilizam de seu conhecimento para esquivar de reconhecimento facial e outras formas de identificar o indivíduo. Essas tentativas vão desde pinturas de rosto e cabelos diferentes, até camuflagem e vestimentas reflexíveis para resistir ao reconhecimento facial.
Desta maneira, a apresentação busca relacionar este conceito recente de capitalismo de vigilância com a lei nacional e questiona se a legislação pode ser uma ferramenta de defesa à privacidade e à dignidade humana nesse novo contexto social e tecnológico.

Dataismo, etapa superior do Capitalismo?

Uma inquietação: para além do avanço sobre a privacidade e aperfeiçoamento da vigilância e controle sobre nossas vidas, será possível que estejamos vivendo transformações mais profundas do sistema capitalista? 
Qual será nossa estratégia para enfrentá-las?
Uma palestra, ou um convite ao debate.

Inteligência Artificial vs. Direitos Fundamentais

O Direito e a Tecnologia se relacionam de diversas maneiras. A atividade proposta pretende apresentar as formas contemporâneas de relação entre as duas áreas, discutindo conceitos teóricos bem como trazendo casos concretos e estudos da área. Através do viés instrumental, a tecnologia é utilizada no Direito pelo discurso da eficiência, desde o processo judicial eletrônico até os contratos inteligentes. Pelo viés regulatório, por outro lado, o Direito tenta acompanhar as mudanças sociais e tecnológicas que geram novas situações jurídicas que precisam ser resolvidas de maneiras não só eficazes e tecnologicamente viáveis, mas que também respeitem direitos fundamentais.
  
Sumário proposto:
  1. Introdução
  2. Relações entre Direito e Tecnologia
  3. Discussão de casos concretos sobre os seguintes temas:
    1. Políticas de privacidade e termos de uso problemáticos
    2. Algoritmos e discriminação de minorias 
    3. Utilização de tecnologias de reconhecimento facial no Brasil
  4. Perspectivas para o futuro e despertar ético
  5. Conclusão

Internet Health Report –  o que diabos está acontecendo com a saúde da internet?!

Será que a web como um todo está saudável? Ou está indo de mal a pior?
Para responder a estas e outras perguntas, apresentarei o Internet Health Report 2019, um relatório anual da Mozilla que compila pesquisas desde experiências pessoais às preocupações globais, apontando onde a Internet vai bem e o que está prejudicando-a em cinco questões chaves: segurança & privacidade, abertura, alfabetização digital, descentralização e inclusão digital.

Micropython: o Arduino dos Pythonistas

Uma apresentação da implementação de Python para microcontroladores, uma alternativa bastante viável ao Arduino. Exemplos práticos, demonstrações ao vivo e sugestões de dispositivos para quem quiser brincar em casa.

Sala Campeche

Política Digital: Hoje e amanhã


Em um pouco mais de um ano serão realizadas eleições municipais em todo o Brasil. Nestas eleições serão redefinidos (ou mantidos) os gestores das estruturas governamentais e públicas de cada cidade brasileira. Mas será que a participação popular precisa mesmo esperar quatro anos para influir diretamente nesta gestão? A proposta desta roda de conversa é debater tanto mecanismos de transparência e participação atuais, como Conselhos Municipais, quanto alternativas mais radicais de participação política como o Demoex (Partido da Democracia Experimental), uma experiência sueca na qual o representante eleito vota de acordo com os resultados de consultas e debates online com a população. Esta atividade é provocada por ativistas digitais e pela Setorial de Cultura Digital do Conselho Municipal de Políticas Culturais de Florianópolis.

Segurança de Pés Descalços – Um plano estratégico para apoiar a transformação social

Os mares estão tenebrosos para quem luta por um mundo sem capitalismo, opressão, poluição, machismo, homofobia, etc. 
Não podemos mudar o vento, mas podemos ajustar as velas do barco para chegar onde queremos. Nesta linha apresentamos a “Segurança de Pés Descalços” : um plano estratégico, voltado para apoiar a ação de grupos que promovem a transformação social
A ideia da SPD foi baseada livremente na política chinesa da “Medicina de Pés de Descalços”, cujo objetivo era ampliar o atendimento de saúde para as massas, especialmente em regiões rurais após a Revolução. A comparação entre segurança e saúde nos parece muito acertada. Segurança, assim como a saúde, é um assunto social. Tendo sempre em mente que nossos princípios são a prevenção e a autonomia, a política da Médicos de Pés Descalços nos serviu de inspiração, com a crucial diferença que não se trata de uma política pública promovida pelo Estado: nós mesmas cuidaremos da nossa segurança! 

Anônimato vs vigilância: criptografia e disputas de poder na internet

CUIDADO! Anonimato online é coisa de hacker, pedófilo e traficante de armas que se encontram na deep web para cometer crimes. Lugares de anonimato são criptografados e perigosos! Segredo pra quê? Seguro mesmo é usar serviços fechados e comerciais, sem criptografia e que exige criação de um login e guardam todos os nossos dados. Afinal, não somos hackers criminosos e não temos nada a esconder…  
OPA, PÁRA TUDO! 
Teve um vazamento de dados e agora estão na rede senhas, fotos e conversas. Nossa vida toda! Mas a empresa disse que vão implementar criptografia e agora NINGUÉM consegue ler o que eu escrevo. Apareceu até um cadeado aqui. Deve ser seguro. Disseram que estão preocupados com a nossa PRIVACIDADE. Será?
Nessa roda de diálogo propomos observar as dinâmicas de comunicação na internet como possíveis em dois tipos de lugar: ferramentas e redes nas quais por padrão é preservado o anonimato com uso de criptografia ou plataformas nas quais nossa identidade online forçosamente coincide com nossa identidade offline para fins de coleta de dados. Após os recentes casos de vazamentos, a criptografia está sendo implementada em ferramentas das mesmas empresas que promovem a vigilância do cotidiano.
Os chupa-dados agora são criptografados! Cabe discutir como esta popularização impacta na propagação do uso de criptografia fora destes oligopólios da internet e na criação de uma cultura de segurança que, de fato, nos deixe a salvo do monitoramento de empresas e governos.

Naftalina com querosene, editoras independentes incendeiam mesmo no colapso

Roda de conservas sobre publicações independentes impressas (livros e zines) em tempos de colapso. Ideias, perspectivas e desafios da atividade de colocar tinta no papel e distribuir ideias libertárias.

Manhêêê, faz um app pra mim

Afinal, o que um software pode resolver? Com a mania de achar que para cada problema aparecerá um aplicativo salvador, temos deixado de lado habilidades e sensibilidades que só se desenvolvem no contato direto com as pessoas. A humanidade já possui conhecimento para quase tudo quanto é pepino. Será que o que falta é um novo aplicativo para conseguirmos nos organizar e viver novos mundos?

Panorama da repressão no Brasil e guia básico de segurança militante

Bate papo sobre a conjuntura repressiva no país e apresentação de boas práticas para fomentar a cultura de segurança, com foco em segurança não-digital.

Bitcoin – de moeda nerd à instrumento de transformação do mundo

Nesta palestra, a ideia é apresentar o Bitcoin, a tecnologia por trás dele, a Blockchain, e como está impactando o mundo em diversas áreas.

Sala Armação

InstallFest: Tainha, Linux e Muito Signal!

Durante o dia todo estaremos auxiliando na instalação, configuração e uso de software livre, especialmente aqueles voltados para a proteção da privacidade e anonimato (vide: https://autodefesa.org)
Observação:Faça backup dos seus dados antes de se aventurar, oh istepô!
Também acontecerão algumas atividades em horários determinados, onde serão apresentadas algumas ferramentas e seus usos:

11h às 12h
Como criar Senhas Fortes?
14h às 15h
Anonimato na Web com o Tor
15h às 16h
Emails seguros com PGP
17h às 18h
Mensagens seguras com Signal
18h às 19h
Criptografia de Discos
20h às 21h
Navegando na Surdina com TAILS – The Amnesic Incognito Live System
Observação: Leve Pendrive de no mínimo 8 GigaBytes.

Exposições

Ao longo do dia teremos exposição de livros, ilustrações, zines e de um Poster sobre Redes Mesh Comunitárias.



Atividades do Entorno

Se quiser dar um rolê pelo centro, separamos algumas atividades que estarão acontecendo no entorno. Podem ser atualizadas nos próximos dias.

Capoeira:

Roda do Mercado às 10:00. No Mercado Público.

Roda da Catedral às 10:30. Na Catedral que fica em frente à praça 15.

Viver Para Lutar: Punk, Anarquismo e Feminismo: As minas dos 90. Exibição de Documentário e ilustrações, na ADEH, que fica Rua Trajano, 168, 3º Andar.

Post Tag With : ,

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *